Dimensões e Critérios Metodológicos

A Cultura Viva Comunitária é a visão que alimenta um movimento social e cultural latinoamericano de base comunitária, local, crescente e convergente, que assume a cultura e suas manifestações como um bem universal dos povos. Parte substancial das lutas populares de nossas comunidades e do processo de mudanças paradigmáticas vividas em âmbito global e em especial no nosso continente, em torno a um novo modo de entender as relações entre o público, o comunitário e o estatal. Neste sentido, o I Congresso Latinoamericano de Cultura Viva Comunitária se define como um fórum continental no qual compartilharemos uma experiência coletiva de produção de conhecimentos e intercâmbio com o firme propósito de reconhecer, dialogar, refletir e estimular um encontro entre pares diversos, gente que faz a cultura viva, organizações artísticas, culturais, de comunicação para a transformação, de circo social, hip-hop, escritores, artistas plásticos, saltimbancos, sonhadores, amantes da vida e da terra, ativistas da cultura de paz e de não-violência.

A este encontro também estão convidados legisladores e gestores públicos de nossas cidades e países, onde existem hoje ações públicas de Cultura Viva Comunitária, com apoios importantes a partir da promoção de políticas como a dos “Pontos de Cultura”, a exemplo de Brasil, Argentina e Peru, ou como a Colômbia no estímulo às organizações de Cultura Viva Comunitária.

A atividade espera contar também com intelectuais, acadêmicos, líderes e dialogantes críticos, embaixadores de boa-fé que ajudem a posicionar a Cultura Viva Comunitária, como um fato político coletivo que permita dar maior sustentação às iniciativas que procuram, em todo o continente, dotar de maior apoio institucional e reconhecimento social aos milhares de coletivos que desenvolvem estas atividades em bairros e comunidades latinoamericanas.

As organizações e redes de Cultura Viva Comunitária propõem destinar 0,1% dos orçamentos públicos nacionais e locais para investimento em processos culturais comunitários mediante a criação de políticas públicas articuladas a nível continental, que avancem na promoção e no reconhecimento das organizações culturais comunitárias.

5 caravanas provenientes de Guatemala, Costa Rica, Colômbia, Equador, Peru, Brasil e Argentina percorrerão vales, montanhas, litorais, rios, ruas, bairros, cidades e países para encontrarem-se no dia 17 de maio em La Paz – Bolívia, levando uma mensagem de paz e amor, um corpo-continente atravessado pela esperança e que canta e celebra a vida. Cultura Viva!

Por isto, este Congresso procura distanciar-se de uma metodologia institucionalizada ou de pretensões normativas, e propõe experimentar uma metodologia que, em cada momento e em cada atividade, possa ser vivida em dimensões complementares e integrais, na potencialidade da criação de novos atores políticos, protagonizadas por estes setores nas transformações que devem ser realizadas neste século XXI. Dimensões coexistentes e circulares, alimentando o caminho de um povo de povos latinoamericanos.

A mística, a espiritualidade e o encontro artístico e cultural, recuperando os saberes corporais e as tradições orais de nossos povos, a memória coletiva como base substancial de nossas ações culturais, obras, intervenções e (multi) meios, em uma dinâmica na qual possamos deixarmo-nos influir generosamente pelas criações de todos e todas, seus sonhos e suas perspectivas de construção e crescimento.

O Intercâmbio, o debate e a formação como o exercício consistente de nossa capacidade de sistematizar o aprendizado, de comunicá-lo, de colocá-lo em questão e de oferecê-lo na construção de um novo saber coletivo, em uma dinâmica que nos fortaleça no pessoal e no grupal, em todos os terrenos necessários para a democratização de nossas culturas.

A organização regional, nacional e continental, gerando os espaços necessários para iluminar uma estratégia democrática que nos permita projetar as iniciativas e ações que tendam a garantir o crescimento e o fortalecimento da Cultura Viva Comunitária em nossos países, nossos bairros, nossas comunidades.

Com base nestas dimensões é que o I Congresso Latinoamericano de Cultura Viva Comunitária propõe uma metodologia que combina a realização de festas e celebrações, rituais culturais, seminários (integrando por lideranças das redes, organizações e instituições representativas a nível latinoamericano) oficinas, debates, feiras, festivais, intervenções de arte pública, marchas, caravanas, e assembleias abertas de Cultura Viva Comunitária.

A realização destas ações compartilhadas, de modo coletivo e circular, de 17 a 22 de maio em La Paz pode redundar em um novo ciclo de fortalecimento coletivo no caminho de uma sociabilidade mais justa, equitativa e harmoniosa, descolonizada e articulada no conceito integral do Bem Viver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*